Biologia

Novo tratamento inovador reverte a perda de memória associada à doença de Alzheimer

Novo tratamento inovador reverte a perda de memória associada à doença de Alzheimer


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os pesquisadores da Macquarie University conseguiram produzir um novo tratamento que reverteu com sucesso os efeitos da perda de memória associada à doença de Alzheimer em ratos com demência avançada. A nova descoberta pode ter consequências de mudança de vida para aqueles que sofrem da doença.

RELACIONADO: OS CIENTISTAS PODEM TER ENCONTRADO UMA MANEIRA DE RESTAURAR A FUNÇÃO DE MEMÓRIA EM PACIENTES DE ALZHEIMER

A descoberta foi feita pelos irmãos Lars e Arne Ittner, que estudavam a demência há uma década. "Dois meses depois de tratarmos os ratos em idades muito avançadas, esses ratos de repente se comportaram como seus irmãos normais. Ficamos realmente emocionados", disse o professor Lars Ittner.

A doença de Alzheimer é uma condição debilitante que tem aumentado nos últimos anos, acrescentou Lars. A doença acabará matando suas vítimas e é por isso que os irmãos sentiram que era tão importante fazer algo a respeito.

Seu novo tratamento é um passo em frente muito necessário. Isso ocorre porque ele não apenas impede a perda de memória, mas também a reverte. Se isso também for bem-sucedido em testes em humanos, pessoas que sofrem de demência podem ter suas memórias de volta.

"Não existe terapia comparável e nenhuma outra terapia genética", acrescentou Lars. Como funciona esse novo tratamento?

Ele reconstitui a atividade de memória enzimática perdida, visando a enzima p38gamma. Este processo pode modificar uma proteína que impede o desenvolvimento dos sintomas da doença de Alzheimer.

A pesquisa, no entanto, deu um passo adiante, descobrindo que os efeitos protetores naturais do p38gamma poderiam ser usados ​​para realmente melhorar a memória na doença de Alzheimer, mesmo em estágios com declínio cognitivo grave.

"Infelizmente, a atividade enzimática protetora natural no cérebro é perdida mais à medida que progride no caminho da doença de Alzheimer - então, quanto mais memória você perde, mais você também perde este efeito protetor natural", explicou o professor Ittner.

O pesquisador acrescentou que a nova descoberta traz alguns conhecimentos muito necessários sobre o cérebro humano. Ele descreveu o cérebro como uma "caixa preta" e disse que seu trabalho revela uma compreensão "sem precedentes" de como funciona esse órgão humano crucial.

Nem é preciso dizer que, ao compreender melhor o cérebro, os pesquisadores têm autonomia para criar tratamentos que podem ter como alvo suas várias doenças. A abordagem de Ittner é a primeira abordagem baseada em terapia genética no mundo para a doença de Alzheimer avançada.


Assista o vídeo: Primeiros Sinais da Doença de Alzheimer Completo (Junho 2022).


Comentários:

  1. Templeton

    Li e tirei conclusões, obrigado.

  2. Gorr

    Eu confirmo. Assim acontece. Podemos nos comunicar sobre este tema.

  3. Balfour

    Eu acho que você está errado. Eu proponho discutir isso. Envie -me um email para PM, vamos conversar.

  4. O'brien

    Completamente compartilho sua opinião. Achei excelente, concordo com você.

  5. Matthan

    A tua frase é incomparável... :)

  6. Inis

    Sinto muito, mas acho que você está errado. Tenho certeza. Mande-me um e-mail para PM.



Escreve uma mensagem