Energia e Meio Ambiente

NASA: Australian Bushfire Smoke Now in the Stratosphere and will Go around the Earth

NASA: Australian Bushfire Smoke Now in the Stratosphere and will Go around the Earth



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

As notícias sombrias em torno dos incêndios florestais australianos continuam. A NASA previu que os incêndios produzirão fumaça suficiente para circunavegar a Terra, para retornar à Austrália.

Em 8 de janeiro, a NASA declarou que essa fumaça perigosa já havia dado a volta ao meio mundo. Já teve um impacto claro na Nova Zelândia e na América do Sul.

RELACIONADOS: ALIMENTOS DESCARREGADOS NA FOGUEIRA AUSTRÁLIA PARA SALVAR ANIMAIS DA FOME

O que a NASA disse?

"Espera-se que a fumaça faça pelo menos um circuito completo ao redor do globo, retornando mais uma vez aos céus da Austrália", afirmou a NASA.

A agência espacial também explicou que a fumaça tem "tornado os céus nebulosos e causando amanheceres e entardeceres coloridos" na América do Sul.

A vizinha da Austrália, Nova Zelândia, está claramente sofrendo com os efeitos negativos da fumaça: "A fumaça está tendo um impacto dramático na Nova Zelândia, causando graves problemas de qualidade do ar em todo o condado e escurecendo visivelmente a neve do topo das montanhas." A nação é 1.200 quilômetros (745,6 milhas) longe da Austrália.

Normalmente conhecida como a "terra da longa nuvem branca", a Nova Zelândia pode ter que repensar seu nome se as nuvens escuras mais comuns continuarem pairando sobre o país.

Não apenas uma situação local

Os incêndios até agora causaram a morte de um estimado 1 bilhão de animais na Austrália, e mataram pelo menos 28 pessoas. Incontáveis ​​números de casas foram danificadas ou totalmente engolfadas pelas chamas.

Fotos de satélite mostram as nuvens escuras e turvas se afastando da Austrália, enquanto partem em sua "turnê" mundial.

Essas nuvens são tão grandes que criaram seus próprios padrões climáticos, de acordo com a NASA. Eles têm suas próprias tempestades, que podem provocar incêndios. São essas tempestades que estão empurrando a fumaça para a nossa estratosfera, com certas plumas chegando até 15 quilômetros acima (9,3 milhas) a partir do solo.

Incêndios catastróficos estão devastando grandes áreas da Austrália, como pode ser visto nesta imagem tirada em 1º de janeiro por um de nossos instrumentos de observação @NASAEarth. Oficiais de gerenciamento de incêndio podem usar dados de satélite como este para tomar decisões que salvam vidas: https://t.co/22UjnM1LRSpic.twitter.com/gf4zeGvnLn

- NASA (@NASA) 2 de janeiro de 2020

Esta fumaça "pode ​​viajar milhares de quilômetros de sua fonte, afetando as condições atmosféricas em todo o mundo", afirmou a NASA.

É essa fumaça que será submetida a um escrutínio intenso, pois ainda não se sabe qual será o impacto que terá em nosso clima global.

Atualmente, a devastação dos incêndios australianos causou mais estragos do que os incêndios de 2019 na Amazônia.


Assista o vídeo: Austrian daredevil breaks sound barrier jumping from space (Agosto 2022).